Home Notícias Cultura

VC no Portal

Educação

ARTISTA CHAMA ATENÇÃO PARA OS "INVISÍVEIS" USUÁRIOS DE CRACK EM INTERVENÇÃO NA CAPITAL PDF Imprimir E-mail
Escrito por Sandra Kiefer - Lucas Buzatti - Portal Uai   
Sáb, 03 de Setembro de 2011 11:57

Amy Winehouse, que morreu em julho depois de longo histórico de problemas com drogas, serviu de inspiração para unir arte e crítica social em viaduto de BH

Sujeira no muro da 'cracolândia' viaduto em BH foi plataforma para o trabalho. Foto: Adriana Lagares (Divulgação)Sujeira no muro da 'cracolândia' viaduto em BH foi plataforma para o trabalho. Foto: Adriana Lagares (Divulgação)

Quem tiver olhos para ver, veja a imagem de uma Amy Winehouse envelhecida e consumida pelo vício, chapada no muro do Viaduto Sarah Kubitschek, no Complexo da Lagoinha, em Belo Horizonte. Quem tiver ouvidos para ouvir, ouça o lamento da cantora britânica, que parece sussurrar a letra de Rehab, uma de suas últimas músicas: "Tentaram me mandar para a reabilitação/Eu disse não, não, não/É, eu estive meio caída, mas quando eu voltar/Vocês vão saber, saber, saber/Eu não tenho tempo".

Poucos dias depois de ser encontrada morta dentro de casa, em 23 de julho, Amy ressurgiu em meio às cinzas das fogueiras acesas pelos usuários de crack que batem ponto naquele viaduto. Por meio da contundente intervenção na paisagem urbana, o artista mineiro Drin Côrtes chama a atenção para o surgimento de mais uma cracolândia em BH. "Os usuários de crack são tratados como invisíveis. As pessoas sabem que eles estão lá e viram o pescoço para o outro lado. Tentei atrair o olhar do público para aquele lugar", revela.

Formado em belas-artes pela UFMG, o jovem artista tem 25 anos, dois a menos que a cantora tinha ao perder a vida. Apesar de ser contemporâneo de Amy, Drin Côrtes pensa diferente em relação à inglesa. Discorda dos excessos no álcool e nas drogas pesadas (ela chegou a aparecer em um vídeo em que aparece usando crack) e quer vencer a sina dos 27 anos, reservada a artistas. Ele aproveitou como mote a morte da cantora para homenageá-la e, ao mesmo tempo, fazer uma crítica social. "O fato de ela ter sido viciada não fez com que fosse ignorada como essas pessoas são todos os dias", pontua.

Para desenhar os traços de Amy, Drin Côrtes usou apenas pincel e pano molhado, limpando a fuligem deixada pelas fogueiras do crack (que servem para derreter os fios de cobre convertidos em dinheiro pelos dependentes da pedra). Fez o extremo oposto da pichação: limpou, em vez de sujar os muros da cidade. Drin Côrtes não quer elogios. Nem assinou a fugaz obra de arte, que está se apagando com o tempo. Preocupou-se somente em mandar o recado. "A rua é o melhor lugar para transmitir alertas", ensina.

Conversas

Ao todo, o trabalho levou quatro horas. Durante o processo, o artista esteve cercado por usuários de drogas pesadas, em plena luz do dia. "Eles vieram conversar comigo e um deles estava especialmente intrigado pelo fato de Amy ter caído naquela vida. Contou ter sido desapropriado com a família para a construção de um dos novos viadutos. Já teria perdido a mãe e uma irmã para o crack, mas continuava viciado na pedra", conta. Em um dado momento da conversa, três viaturas da PM estacionaram do outro lado da avenida. "Os policiais ficaram só olhando. Queria ver brigarem comigo com tanta gente cometendo crime ao meu redor", comenta.

Na concepção inicial de Drin Côrtes, Amy seria a primeira de uma série de celebridades ligadas ao crack que seriam grafitadas uma a uma nos viadutos de BH. A morte precoce da cantora precipitou o movimento. Quando saiu a notícia da morte dela, eu estava em um projeto de residência artística em Diamantina. Abandonei o projeto pelo meio e voltei correndo. Precisava trabalhar na minha ideia", afirma o artista. Ele ainda não sabe se dará continuidade à proposta, já que o objetivo maior está sendo atingido. A Amy das cinzas ganhou repercussão em sites especializados em grafite e entre entendidos em arte de rua, além de intrigar os habitantes mais atentos da cidade. "Podem ficar espertos que está vindo novidade por aí", avisa.

O paulista Alexandre Orion e o 'Ossario', apagado um dia depois pela prefeitura. Foto: Alexandre Orion (Divulgação)O paulista Alexandre Orion e o 'Ossario', apagado um dia depois pela prefeitura. Foto: Alexandre Orion (Divulgação)

Sujeira vira arte

Produzido pelo artista mineiro Drin Côrtes, o trabalho de Amy Winehouse usou como plataforma a própria sujeira da parede, decorrente da fuligem de fogueiras acesas constantemente pelos usuários de crack. Para fazer os traços e detalhes, foram usados apenas pincel e pano molhados – técnica conhecida como grafitti reverso, eco-tagging ou graffiti limpo. A ideia surgiu do trabalho do paulista Alexandre Orion. O artista plástico fez uma intervenção no túnel Max Feffer, em São Paulo, onde desenhou, apenas com um pano molhado, quase duas mil caveiras. Enquanto desenhava, Orion foi parado diversas vezes por policiais, que apenas fizeram perguntas e anotações. No entanto, o projeto, intitulado Ossário, foi apagado no dia seguinte por um caminhão de água da prefeitura paulistana. Além de Orion, outro grande representante da modalidade é o americano Paul "Moose" Curtis. Em abril de 2008, o artista lançou o documentário The Reverse Graffiti Project, que mostra, em São Francisco, a arte como protesto contra a poluição e a falta de cuidado com as megalópoles do mundo. 

Última atualização Sáb, 03 de Setembro de 2011 12:11
 
«InícioAnterior11121314151617181920PróximoFim»

JPAGE_CURRENT_OF_TOTAL

Notícias - Cultura

Imagem
POLÍTICA É UMA ARTE. FÓRUM CULTURAL DE CONFINS

Confins é sede do Fórum de Políticas Culturais, encontro que reúne artistas, articuladores e... Leia mais...
Imagem
FÓRUM DE CULTURA APRESENTA CARTILHA FEDERAL PARA CRIAÇÃO DE CONSELHO MUNICIPAL DA CULTURA

A última reunião do  aconteceu na atual sede do projeto Voo Livre, foram discutidas as... Leia mais...
Imagem
VOANDO ALTO. PROJETO VOO LIVRE ESTÁ EM NOVO ENDEREÇO E COM VÁRIAS NOVIDADES

As inscrições estão abertas nos dias 29 e 30 de abril, das 14 às 19 horas na mesma rua da... Leia mais...
Imagem
VOO LIVRE. A PRIMAVERA CHEGOU E TUDO QUE É BOM SE RENOVA!

O Projeto Voo Livre em parceria com a Mineração Lapa Vermelha promoveu um maravilhoso mês com... Leia mais...
Imagem
MUDO E PRETO E BRANCO, O ARTISTA TEM DESPERTADO INTERESSE NO PÚBLICO

Consagrado na premiação do Bafta filme surpreende pela capacidade expressiva Com os prêmios... Leia mais...
Imagem
ROMANCES DE CLARICE LISPECTOR TÊM REEDIÇÃO

Publicação de José Castello traz síntese das obras da escritora   É mais ou menos um... Leia mais...
Imagem
ÁLBUM PÓSTUMO DE AMY WINEHOUSE LIDERA AS VENDAS NA GRÃ-BRETANHA

Lioness: Hidden Treasures foi lançado no início de dezembro O álbum póstumo da cantora... Leia mais...
Imagem
GALPÃO ALÇA VOO RUMO AO DESCONHECIDO COM O NOVO ESPETÁCULO INSPIRADO NO UNIVERSO DE ANTON TCHEKHOV

Para sair de uma zona de conforto é preciso, no mínimo, coragem. Eclipse, nova montagem do Grupo... Leia mais...
Imagem
ZEZÉ DI CAMARGO E LUCIANO COMEMORAM 20 ANOS DE PARCERIA COM SHOW EM B

A dupla garante: depois das desavenças recentes, as relações profissionais e afetivas estão... Leia mais...
Imagem
ALCIONE TRAZ A BH SHOW DO PROJETO DUAS FACES, QUE INCLUI CDS E DVDS

Cantora se apresenta no Chevrolet Hall Carinhosa e popularmente conhecida como Marrom, a maranhense... Leia mais...
Banner
Se você não quer sua foto publicada no Portal de Confins, entre em contato citando o evento e o número da foto para retirarmos.
 

Leia o Jornal